null Cenário econômico continua desafiador e derruba os mercados globais nos últimos meses

Seg, 6 Junho 2022 14:07

Cenário econômico continua desafiador e derruba os mercados globais nos últimos meses

A União Europeia decidiu implementar mais uma medida de retaliação à Rússia.


A economia mundial, no mês de maio, foi marcada pelo recrudescimento da inflação, sobretudo na Europa (Foto: Getty Images)
A economia mundial, no mês de maio, foi marcada pelo recrudescimento da inflação, sobretudo na Europa (Foto: Getty Images)

O Boletim de Mercado de Capitais, elaborado pelo curso de Finanças da Universidade de Fortaleza, tem como propósito trazer informações da seara financeira e análises dos principais fatos do mundo dos investimentos, em escala global, nacional, e especialmente do mercado financeiro cearense.

Mercado de Capitais Internacional

A economia mundial, no mês de maio, foi marcada pelo recrudescimento da inflação, sobretudo na Europa, que foi muito acima do esperado pelo mercado; da continuidade da guerra entre Rússia e Ucrânia; e pelos fortes impactos econômicos na China, em razão das medidas sanitárias de contenção à Covid-19.

Ainda no contexto internacional, a União Europeia decidiu implementar mais uma medida de retaliação à Rússia, que consiste no embargo para mais de dois terços da importação do petróleo russo. Segundo estimativas de mercado, o impacto será na redução de 90% nas importações de petróleo russo. Em consequência, com a menor oferta de petróleo, os preços tendem a subir nos próximos períodos, pressionando ainda mais a inflação mundial.

Todo esse cenário gerou mais volatilidade no mercado fazendo com que todos os principais índices apresentem resultados negativos no ano de 2022.

Quadro 1 - Comportamento dos principais índices e ativos pelo mundo (Maio/2022)

Índice / Ativo

País / Mercado

Variação (%)

Mês

Ano

12 meses

DJI

EUA

0,04

-9,21

-4,45

S&P 500

EUA

0,01

-13,30

-1,71

Nasdaq 100

EUA

-1,65

-22,54

-7,63

Dólar

Forex

-4,85

-15,07

-9,33

Bitcoin

Investing.com

-15,60

-31,20

-14,80

Fonte: Valor Data; Investing.com


 

Mercado de Capitais Nacional

A economia brasileira, ainda que o ambiente seja de “aumento de temperatura” em decorrência do risco gerado pela corrida eleitoral, a atividade vem apresentando números positivos, o que vem acarretando a revisão das estimativas de crescimento do PIB para o ano de 2022.

No mercado cambial, o dólar segue caindo para patamares recordes no ano. No mercado de trabalho, números publicados no fim do mês mostram que a taxa de desemprego (10,5%) diminuiu, registrando a menor do que o esperado, além de ser o melhor resultado desde 2015.

Vale salientar que os riscos geopolíticos, econômicos e eleitorais, vêm repercutindo na volatilidade dos mercados. Além destas incertezas, o BC segue em greve, não produzindo importantes relatórios econômicos, como o Focus e o Índice de Atividade Econômica – IBC-Br.

O mês foi de certo alívio das expectativas negativas e a bolsa local apresentou 13 pregões positivos e 9 negativos. O Ibovespa encerrou o mês de abril com valorização de 3,00%.

Quadro 2 - Comportamento dos índices no Brasil (Maio/2022)

Índice

Variação (%)

Mês Ano 12 meses

IBOV

3,00

6,00

-12,00

IFIX

0,26

0,56

0,14

IEE

-0,38

8,60

-0,90

SMLL

-1,82

-4,02

-26,87

ISE

2,01

-1,21

-13,17

Fonte: Valor Data; Investing.com



 

Quadro 3 – Melhor desempenho no Ibovespa (Maio/2022)

Ação

Ticker

Variação

Preço

Cielo

CIEL3

16,93%

R$ 3,95

BRF

BRFS3

15,24%

R$ 15,65

Bradesco PN

BBDC4

14,14%

R$ 20,50

Eneva

ENEV3

13,56%

R$ 15,58

Bradesco ON

BBDC3

13,37%

R$ 16,88

Fonte: Infomoney.com


Quadro 4 – Pior desempenho no Ibovespa (Maio/2022)

Ação

Ticker

Variação

Preço

Magazine Luiza

MGLU3

-23,77%

R$ 3,72

Hapvida

HAPV3

-23,38%

R$ 6,72

Petz

PETZ3

-20,35%

R$ 12,13

CVC

CVCB3

-17,65%

R$ 10,92

Banco Inter

BIDI11

-17,01%

R$ 12,59

Fonte: Infomoney.com

Índice de Ações Cearenses (IAC)

O Índice de Ações Cearenses (IAC) no mês de maio teve baixa de 15,33%, enquanto o Ibovespa no mesmo período apresentou alta de 3,22%. No acumulado do ano o IAC apresenta baixa de 26,30%, enquanto o Ibovespa se valoriza 6,23%. No retorno acumulado dos últimos 12 meses, o IAC apresenta desvalorização de 43,77% enquanto o Ibovespa caiu 11,78%.

Neste mês, das nove ações que compõem o índice, apenas uma apresentou desempenho positivo: MDIA3 com valorização de 9,46% e BNBR3 com valorização de 4,65%.  Do lado negativo, merecem destaques a AERI3, BRIT3 e HAPV3 com perdas de 27,05%, 26,77% e 23,38%, respectivamente.

Veja mais sobre o IAC clicando aqui.

Ação estudada do mês: M. Dias Branco (MDIA3)

a) Análise fundamentalista

Indicador

Resultado

Índice P/L

16,70

Índice P/VP

1,42

DY - Dividend Yield

6,39%

Fonte: TradeMap
Posição: 01.06.2022

Índice P/L é calculado a partir do preço da ação dividido pelo lucro por ação anual do ativo. Ele representa o quanto o mercado está disposto a pagar pelos ganhos de uma empresa. No caso da MDIA3, o P/L é igual a 16,70.

O índice P/VP é obtido após a divisão entre o preço do ativo e o valor patrimonial da empresa. No caso da MDIA3, o valor do P/VP de 1,42 indica que o preço de negociação do ativo é quase seis vezes o seu valor patrimonial.

Para se obter o cálculo percentual do Dividend Yield de uma empresa deve-se dividir o valor de dividendos pagos durante um determinado período pelo preço da ação, antes da distribuição de dividendos e multiplicar por 100. Através do DY é possível entender a relação entre os dividendos que a empresa distribuiu e o preço atual da ação da companhia. O DY da MDIA3 atingiu 6,39%.

Vale ressaltar que a empresa abriu o capital em 2006 no segmento do Novo Mercado (o que sugere boas práticas de governança corporativa) e vem sofrendo forte pressão inflacionária (forte impacto das matérias primas, resultando em margens mais apertadas no curto prazo), além do cenário macroeconômico desfavorável (empresa cíclica), o que pode vir a gerar distorções nos indicadores de análise fundamentalista.

b) Análise técnica

Gráfico 1 – Gráfico semanal MDIA3



Fonte: Profit

O gráfico mostra o preço do ativo em tendência de queda desde o segundo semestre de 2017, após testar a resistência na R$ 50,00/R$ 55,00. Atualmente os preços testam um suporte importante em torno de R$ 20,00 que, juntamente com a linha de tendência de baixa (LTB) iniciada em 2018, estão formando uma figura gráfica conhecida como triângulo descendente. De acordo com a Teoria da Análise Técnica, os triângulos descendentes indicam possível continuidade de queda dos preços a partir do rompimento da resistência próxima de R$ 20,00.

Além disso, o IFR nas proximidades de 60% indica que o ativo está próximo de atingir uma região de sobrecompra, reforçando ainda mais a hipótese de continuidade da tendência de baixa. Por outro lado, o HMACD em formação, segundo a teoria da análise técnica, caracteriza uma possível reversão da tendência de queda no curto prazo.

Equipe de elaboração

Professores

  • Prof. Luiz Fernando Gonçalves Viana
    Economista - Corecon-CE n. 2.718-9
    CNPI-P – n. 3122
     
  • Prof. Allisson David de Oliveira Martins
    Economista - Corecon-CE n. 3221
     
  • Prof. Ricardo Eleutério Rocha
    Economista - Corecon-CE n. 1457

Alunos

  • Artur Sampaio Pereira - Ciências Econômicas
  • Matheus Santiago de Oliveira Tavares - Ciências Econômicas
  • Vicente Aníbal da Silva Neto - Ciências Econômicas
News Navigation Portlet está temporariamente indisponível.