null Os principais índices do mercado de capitais apresentaram fortes altas em outubro

Seg, 7 Novembro 2022 17:20

Os principais índices do mercado de capitais apresentaram fortes altas em outubro

Apesar da continuidade das pressões inflacionárias nas economias avançadas e as eleições no Brasil, os principais índices do mercado de capitais apresentaram fortes altas em outubro.


(Foto: Getty Images)
(Foto: Getty Images)

O Boletim de Mercado de Capitais, elaborado pelo curso de Finanças da Universidade de Fortaleza, tem como propósito trazer informações da seara financeira e análises dos principais fatos do mundo dos investimentos, em escala global, nacional, e especialmente do mercado financeiro cearense.

Mercado de Capitais Internacional

As economias avançadas, em grande medida representadas pela Zona do Euro e Estados Unidos, estão sofrendo processo inflacionário robusto nos últimos meses. Ainda em tendência de alta, no último mês de outubro, a inflação foi de 1,5% na Zona do Euro e, para os EUA, no mês de setembro, era projetado uma inflação de 0,2%, mas o mercado foi surpreendido com a alta de 0,4%, elevando as expectativas de um movimento hawkish pelo FED para voltar a controlar as rédeas da inflação.

Apesar do cenário inflacionário desafiador, o mês de outubro foi positivo para as bolsas mundiais, com um ambiente de menor volatilidade. O VIX, conhecido por índice do medo, após apresentar várias altas nos últimos meses, em outubro registrou queda de 18,15%, expressando uma acomodação do nível de estresse nos mercados. Diante deste quadro, de menor aversão ao risco no mês, os índices S&P500 e Nasdaq, registram altas em outubro de 7,99% e 3,90%, respectivamente.

Quadro 1 - Comportamento dos principais índices e ativos pelo mundo (Outubro/2022)

Índice / Ativo

País / Mercado

Variação (%)

Mês

Ano

12 meses

DJI

EUA

13,94

-9,92

-8,61

S&P 500

EUA

7,99

-18,76

-15,92

Nasdaq 100

EUA

3,90

-30,11

-28,04

Dólar

Forex

-4,36

-7,02

-8,13

Bitcoin

Investing.com

5,50

-55,70

-66,60

Fonte: Valor Data; Investing.com


 

Mercado de Capitais Nacional

No mercado de trabalho, o Brasil gerou 278.085 empregos com carteira assinada em setembro, com saldo positivo em todos os Estados e atividades econômicas pesquisadas. No acumulado do ano de 2022, o Brasil já registra saldo de 2.147.600 novos postos formais de trabalho.

No campo da inflação, o relatório Focus, que tem projeções do mercado acerca de vários indicadores econômicos, por várias semanas consecutivas apresentou redução nas expectativas do IPCA acumulado de 2022. Contudo, no último dia do mês de outubro essa tendência se reverteu e apresentou uma nova expectativa de alta do IPCA ainda em 2022, haja vista a expectativa de avanço da inflação no mês de outubro que será publicada nos próximos dias.

No mês de outubro, apesar da tensão eleitoral no Brasil, no mercado de capitais, o Ibovespa, o principal índice da bolsa de valores brasileira, apresentou alta de 5,45%, com 11 pregões positivos e 9 pregões negativos.

Quadro 2 - Comportamento dos índices no Brasil (Outubro/2022)

Índice

Variação (%)

Mês Ano 12 meses

IBOV

5,45

10,70

12,71

IFIX

0,02

6,66

11,80

IEE

6,60

9,65

12,50

SMLL

7,30

-1,35

0,06

ISE

7,65

0,51

1,57

Fonte: Valor Data; Investing.com


 

Quadro 3 – Melhor desempenho no Ibovespa (Outubro/2022)

Ação

Ticker

Variação

Preço

3R Petroleum

RRRP3

+30,58%

R$ 46,50

PRIO

PRIO3

+28,55%

R$ 35,39

Braskem

BRKM5

+28,47%

R$ 33,71

WEG

WEGE3

+25,33%

R$ 40,28

Locaweb

LWSA3

+21,44%

R$ 10,93

Fonte: Infomoney.com


Quadro 4 – Pior desempenho no Ibovespa (Outubro/2022)

Ação

Ticker

Variação

Preço

MRV

MRVE3

-18,03%

R$ 10,18

IRB

IRBR3

-14,54%

R$ 0,94

Petz

PETZ3

-8,76%

R$ 13,86

Americanas

AMER3

-8,48%

R$ 15,54

Vale

VALE3

-6,81%

R$ 67,13

Fonte: Infomoney.com

Índice de Ações Cearenses (IAC)

O Índice de Ações Cearenses (IAC) no mês de outubro obteve alta de 2,30%, enquanto o Ibovespa no mesmo período apresentou alta de 5,45%. No acumulado do ano o IAC apresenta baixa de 22,93%, enquanto o Ibovespa apresenta alta de 10,70%. No retorno acumulado dos últimos 12 meses, o IAC apresentou valorização de 5,45% enquanto o Ibovespa subiu 12,11%.

Neste mês, das nove ações que compõem o índice, grande parte apresentou desempenho positivo, com destaques para: BRIT3 com valorização de 14,33%, PGMN3 com valorização de 10,12% e BNBR3 com valorização de 6,00%. Do lado negativo, merecem atenção a AERI3 e COCE5 com perdas de 7,96% e 6,37%, respectivamente.

Veja mais sobre o IAC clicando aqui.

Ação estudada do mês: Enel Distribuição Ceará (COCE5)

a) Análise fundamentalista

Quadro 5 – Indicadores fundamentalistas

Indicador

Resultado

Índice P/L

7,77

Índice P/VP

1,09

DY - Dividend Yield

3,94%

Fonte: TradeMap
Posição: 31.10.2022

Índice P/L é calculado a partir do preço da ação dividido pelo lucro por ação anual do ativo. Ele representa o quanto o mercado está disposto a pagar pelos ganhos de uma empresa. No caso da COCE5, o P/L é igual a 7,77.

O índice P/VP é obtido após a divisão entre o preço do ativo e o valor patrimonial da empresa. No caso da COCE5, o valor do P/VP de 1,09 indica que o preço de negociação do ativo é bem próximo do seu valor patrimonial.

Para se obter o cálculo percentual do Dividend Yield de uma empresa deve-se dividir o valor de dividendos pagos durante um determinado período pelo preço da ação, antes da distribuição de dividendos e multiplicar por 100. Através do DY é possível entender a relação entre os dividendos que a empresa distribuiu e o preço atual da ação da companhia. O DY da COCE5 é 3,94%.

Importante ressaltar que a empresa abriu capital no primeiro semestre de 1995, sendo pertencente à lista de ativos do Mercado Tradicional da bolsa. A empresa atua em todo o estado cearense com distribuição de energia elétrica, se situando como a terceira maior distribuidora da Região Nordeste. Vale lembrar que a companhia, antigamente conhecida como COELCE, foi adquirida por uma multinacional italiana em 2016. Assim, sua controladora é a maior empresa privada do setor elétrico brasileiro.

b) Análise técnica

Gráfico 1 – Gráfico diário COCE5



Fonte: Profit

Na edição do BMC de março deste ano, comentamos que o ativo estava em tendência de alta primária tendo como suporte a LTA. Além disso, comentamos sobre a formação de um triângulo ascendente formado pela LTA e a resistência na faixa de R$ 60,00. Apesar da figura representar um padrão altista, o que observamos de março até agora é que o ativo não teve força para romper a resistência e dar continuidade à tendência altista primária. Por outro lado, houve o rompimento da LTA para baixa o que poderia caracterizar uma reversão de tendência. Porém, os indicadores HMACD formando um vale e IFR na região de sobrevenda apontam que esse rompimento da LTA para baixo pode ser “falso”. Ao invés de confirmar uma reversão de tendência tem muito mais características de correção de preços (retomada de fôlego) para continuidade da tendência primária de alta.

Equipe de elaboração

Professores

  • Prof. Luiz Fernando Gonçalves Viana
    Economista - Corecon-CE n. 2.718-9
    CNPI-P – n. 3122
     
  • Prof. Allisson David de Oliveira Martins
    Economista - Corecon-CE n. 3221
     
  • Prof. Ricardo Eleutério Rocha
    Economista - Corecon-CE n. 1457

Alunos

  • Artur Sampaio Pereira - Ciências Econômicas
  • Matheus Santiago de Oliveira Tavares - Ciências Econômicas
  • Vicente Aníbal da Silva Neto - Ciências Econômicas